Deus Quer Perdoar Você: Que A Confissão Lhe Traga De Volta Para Casa Nesta Quaresma

02/04/2019

Um dos fatos mais negligenciados da Parábola do Filho Pródigo é que, depois que o irmão mais novo desperdiçou toda a sua herança, ele sabe que seu pai é misericordioso.

Ele conta com essa misericórdia, mas não se vale ela; ele só espera que seu pai o aceite como servo.

Ele não espera ser aceito de volta como filho. Ele está ciente da gravidade de seu pecado contra seu pai e contra Deus.

O que o filho encontra é uma misericórdia muito maior do que ele espera por direito. Seu pai fica tão feliz com a volta do filho que o rapaz mal consegue fazer seu pedido de desculpas antes que o pai o restituira à família.

Mas esta parábola não é apenas sobre o filho mais novo.

As Escrituras nos dizem que a parábola é dirigida aos escribas e fariseus que desprezam Jesus por comer e consorciar-se com coletores de impostos e pecadores.

O segundo foco da história é o irmão mais velho.

Ele não compartilha da disposição de misericórdia de seu pai. Ele trata seu irmão com tanto desprezo que se refere a ele como "seu filho" e não como "meu irmão".

O pai fica triste porque um filho que "há tantos anos que te sirvo" não manifestou ter a qualidade de misericórdia do pai.

O filho mais velho não se assemelha ao pai, no final da história, tanto quanto o filho mais novo no início da história.

A parábola termina em aberto: o filho mais velho adotará a atitude de misericórdia de seu pai ou será ele o único a ficar separado de seu pai?

Todos nós pecamos. Todos somos carentes.

Talvez estejamos perdendo a nossa liberdade, feito o filho mais novo, ou não tenhamos assumido a atitude do Pai, como filho mais velho.

Relembrando a passagem em que Jesus nos diz: "sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito", estamos tão carentes de misericórdia e caridade quanto a pessoa que desperdiça sua liberdade em uma vida pecaminosa.

Nossa Igreja tornou-se uma Igreja de longas filas de Comunhão e filas pequenas de Confissão (quando existem!).

Queremos os benefícios de sermos filhos de Deus enquanto rejeitamos os deveres de sermos filhos de Deus. É fácil justificar nosso próprio pecado enquanto facilmente condenamos os pecados do outro. Como o Evangelho do fim de semana nos lembrou, nós cortejamos o desastre eterno ao fazermos isso.

Nós temos um Pai misericordioso que quer perdoar.

Jesus conhece a nossa natureza e sabe do que precisamos e. por isso, Ele nos deixa o Sacramento da Confissão para termos a maneira concreta de experimentar o que o filho mais jovem experimenta nas mãos de seu pai.

Não deixe passar esta Quaresma sem confessar.

Permita que a misericórdia do Pai o traga totalmente para casa, de modo que você possa compartilhar plenamente ambos os deveres e benefícios de ser Seu filho.

Artigos que poderão lhe ajudar:

Original em inglês: ChurchPop