O que fazer se eu sempre confesso a mesma coisa? Papa Francisco responde.

15/05/2018

No encontro que realizado na segunda-feira, dia 14, com uma grande delegação da Diocese de Roma, o Papa Francisco explicou o que uma pessoa pode fazer quando "confessa sempre a mesma coisa".

Na Basílica de São João de Latrão, o Papa presidiu um evento em que refletiu sobre "doenças mentais", tema que os fiéis de Roma analisaram nos últimos meses.

No início do evento, Francisco presidiu uma breve oração e depois o Pe. Paolo Asolan, professor do Pontifício Instituto Pastoral Redemptor Hominis da Pontifícia Universidade Lateranense, fez um resumo do que as comunidades de Roma têm trabalhado nos últimos meses sobre as "doenças psíquicas".

Entre elas, ele mencionou a fadiga espiritual, a falta de comunhão entre aqueles que realizam as iniciativas pastorais de Roma; fofoca e medo; e a falta de oração.

"Santo Padre, precisamos do senhor e queremos ouvi-lo para começar a curar essas doenças. Precisamos de Jesus Cristo", disse o sacerdote ao Pontífice.

Em sua reflexão, Francisco disse que as pessoas podem viver uma experiência de "frustração ou amargura", mesmo de maneira "quotidiana, quando vou confessar e dizer o mesmo de sempre. Quando você vai se confessar e isso acontece com você, pare e se pergunte por que você não muda."

"Como fazê-lo? Cada um deve encontrar o caminho. Você sozinho não pode. Sozinho ninguém pode se curar. É necessário que alguém me ajude. O primeiro é o Senhor. Identifique a enfermidade, o pecado, o defeito, a raiz, a raiz amarga da qual fala a Carta aos Hebreus e converse primeiro com o Senhor".

Depois, o Santo Padre continuou, cada um deveria dizer: "Olhe para isto Senhor, eu sempre caio na mesma coisa"; e depois procurar alguém para me ajudar, uma boa alma que tenha esse carisma de ajuda, e não necessariamente precisa ser um sacerdote. O acompanhamento também é um carisma leigo, porque vem com o Batismo".

Ele assinalou que esse carisma "pode estar na comunidade, um homem idoso, um jovem, o cônjuge. Deixe-se ser ajudado por alguém: fale com Jesus, com outro, com a Igreja. Este é o primeiro passo. Ainda ajudará a ler algo sobre o assunto".

Depois de recordar que "o único que pode curar é o Senhor", o Papa explicou que "amargura e frustração ocorrem quando você sente que não pode mudar, quando há impotência. O Senhor quer fazer você crescer com a experiência da cura." "É um sinal de redenção, para curar nossas raízes. Ele nos curou completamente. A graça cura profundamente", acrescentou.

O Pontífice também encorajou a buscar harmonia nas paróquias. Para isso, ele propôs três pontos específicos: "Primeiro a pessoa do Senhor, Cristo, o Evangelho na mão. Todos os dias devemos ler uma passagem do Evangelho".

"Segundo a oração: se você ler o Evangelho, de repente vem a ideia de um breve diálogo com o Senhor. Terceiro: as obras de misericórdia. Com estes três pontos, superamos a fadiga. Sempre peça a graça da concórdia", concluiu.

Original em espanhol: Aciprensa