O Que Significa O Natal Para os Muçulmanos?

No mundo muçulmano, o Natal não é celebrado publicamente, exceto em comunidades cristãs minoritárias do Oriente Médio. No norte da África não é celebrado de modo algum. Para um cristão ocidental que more lá, as ausências do visual costumeiro, dos sons e das práticas do Natal, que fazem parte de nossa cultura, impactam de forma deprimente, pois ao se sair às ruas e às lojas não se verão árvores de Natal ou decorações. Se for visitar alguém, não se terá uma ceia de Natal ou quaisquer referências natalinas, a menos que se esteja na casa de um dos poucos cristãos lá vivem. Se ligar a TV ou o rádio, não se encontrará programas de Natal e poucos serão os sinais, se houver, de que é Natal. Não existe nenhum "Espírito de Natal"!

Não é que os muçulmanos ignorem o Natal. No norte da África, por exemplo, o Natal é comumente visto como um feriado "europeu": uma grande festa, com banquetes e bebidas, como se fosse um festival pagão da Roma antiga, não contribuindo, assim, para a assimilação da mensagem bíblica da Encarnação, que proclamamos como o verdadeiro significado do Natal. Mas o problema não é apenas esse, no entanto.

A história do nascimento de Cristo é mencionada no Alcorão, na Surata 19:16-35. Alguns dos acontecimentos são os mesmos, mas - é importante frisar - a história tem um viés bem distinto. A Virgem Maria é informada por um anjo que ela dará à luz um filho "imaculado":

"E faremos disso um sinal para os homens, e será uma prova de Nossa misericórdia.".

Ela se retira para um lugar deserto para dar à luz, sozinha, debaixo de uma palmeira, e depois retorna com o bebê para seu povo. Quando eles a repreendem, supondo que ela tenha sido impura, Jesus fala do berço em sua defesa, anunciando ser um profeta. A passagem conclui denunciando a doutrina cristã da Encarnação, sendo mal interpretada em termos politeístas grosseiros:

"Este é Jesus, filho de Maria; é a pura verdade, da qual duvidam. É inadmissível que Deus tenha tido um filho. Glorificado seja! quando decide uma coisa, basta-lhe dizer: Seja!, e é."

Assim, embora os muçulmanos reconheçam o nascimento miraculoso de Cristo de uma virgem, eles não celebram o Natal porque o Alcorão interpreta erroneamente a Encarnação. A esperança de salvação que somente o Cristo Encarnado nos traz, eles desconhecem.

Para um muçulmano, referir-se à figura de Jesus é motivo de dificuldade, pois trata-se de uma visão diferente da essência da sua fé e, portanto, da sua vida. Isso fica evidenciado no vídeo a seguir, em uma muçulmana eloquente fala sobre o porquê dos muçulmanos não poderem aceitar o Natal.