Beato Martín Martínez Pascual, Rogai Por Nós!

Estas fotos foram tiradas há 80 anos (18 de agosto de 1936). Um minuto ou dois depois, o homem nas fotos foi morto a tiros.

O Pe. Martín Martínez Pascual tinha 25 anos e era sacerdote há 14 meses. Ele pertencia a uma comunidade de padres dedicada à promoção de vocações e à oração pelos sacerdotes e havia sido recentemente indicado como professor do seminário e diretor espiritual. Ele estava de férias na casa de sua família quando a Guerra Civil Espanhola estourou e a milícia republicana assumiu o controle da área. Eles eram virulentamente anticatólicos e anticlericais e rotineiramente reuniam padres e religiosos para execução. Pe. Martín pegou o Santíssimo Sacramento da igreja paroquial e se escondeu na propriedade de um amigo, primeiro em um celeiro e depois em uma caverna.

Na noite de 17 de agosto, as milícias apreenderam o pai do Pe. Martín e exigiram que ele lhes dissesse onde seu filho estava escondido. Martínez enviou uma mensagem ao Pe. Martín, dizendo-lhe para não se preocupar com ele e se afastar o mais possível. Em vez disso, Pe. Martín se entregou. Foi jogado na prisão com outros padres da região e passou o pouco tempo que passaram juntos, dando-lhes a Santa Eucaristia pela última vez.

Os sacerdotes foram colocados em um caminhão e levados para um cemitério local fora da cidade. O fotógrafo alemão Hans Gutmann estava documentando o progresso da milícia e tirou essas fotos do Pe. Martín. A milícia disse a ele para se virar para sua execução; ele respondeu que queria olhá-los de frente, porque estaria rezando por eles, para que Deus perdoasse a loucura que estavam prestes a fazer. Enquanto miravam, as últimas palavras do Pe. Martín foi: "Viva Cristo Rey!" ("Viva Cristo, Rei!).

Pe. Martín foi beatificado como mártir em 1995 e é um dos mais de mil mártires da Guerra Civil Espanhola beatificados até hoje. Os relatórios oficiais identificam um total de 6.832 mártires clericais e religiosos (13 bispos; 4.172 sacerdotes e seminaristas diocesanos; 2.364 monges e frades; e 283 freiras).

A expressão no rosto do Pe. Martín - tão cheia de gentileza, paciência e amor, sem um traço de raiva de seus captores ou medo do que estava prestes a acontecer - é uma testemunha poderosa da operação da graça e da presença do Espírito Santo. Imaginem se pudéssemos manter, em meio às pequenas provações e inconveniências da vida cotidiana, apenas uma parte da atitude que o Pe. Martín teve diante de sua morte iminente.

O que ele sabe que precisamos aprender? O que ele viu naquele momento e como podemos encontrá-lo?

Beato Martín Martínez Pascual, rogai por nós!

Original em inglês: Facebook do Pe. Philip Bochanski