Alegrai-vos e Exultai!

Assim nos escreve o Santo Padre o Papa Francisco em sua recente Exortação Apostólica Gaudete Et Exsultate:

"...uma pessoa não deve desanimar, quando contempla modelos de santidade que lhe parecem inatingíveis. Há testemunhos que são úteis para nos estimular e motivar, mas não para procurarmos copiá-los, porque isso poderia até afastar-nos do caminho, único e específico, que o Senhor predispôs para nós."

Essas suas palavras fazem eco àquelas de Santa Teresa de Lisieux:

Às vezes quando leio certos tratados espirituais onde a perfeição é apresentada através de mil obstáculos, cercada de uma multidão de ilusões, meu pobre espírito cansa-se bem depressa. Fecho o sábio livro que me quebra a cabeça e me disseca o coração, e pego a Sagrada Escritura. Então, tudo parece luminoso, uma só palavra descobre à minha alma horizontes infinitos, a perfeição parece-me fácil: vejo que basta reconhecer seu nada e abandonar-se como uma criança nos braços do bom Deus.

Deixando às grandes almas, aos grandes espíritos, os belos livros que não posso compreender, ainda menos pôr em prática, alegro-me por ser pequena pois que "só as criancinhas e aqueles que se lhes assemelham serão admitidos ao banquete celeste".

Continua o Papa Francisco:

Como nos sugere Santa Teresa Benedita da Cruz, pensemos que é através de muitos deles que se constrói a verdadeira história: "Na noite mais escura, surgem os maiores profetas e os santos. Todavia a corrente vivificante da vida mística permanece invisível. Certamente, os eventos decisivos da história do mundo foram essencialmente influenciados por almas sobre as quais nada se diz nos livros de história. E saber quais sejam as almas a quem devemos agradecer os acontecimentos decisivos da nossa vida pessoal, é algo que só conheceremos no dia em que tudo o está oculto for revelado".