A Bela Linguagem da Bênção Tradicional das Cinzas

Escrito por Winifred Corrigan

Há um fenômeno interessante que acontece neste ritual anual bem público (e não é exclusivo para os católicos, outros cristãos marcam suas testas com cinzas para comemorar o início da Quaresma). Enquanto em algumas partes do mundo torna-se menos comum ver pessoas no local de trabalho, na mercearia ou em qualquer lugar público com grandes manchas na fronte, ainda assim é uma das raras vezes em que nossa fé se torna um verdadeiro testemunho público .

Para mim, uma das coisas lindas sobre o catolicismo é a repetição cíclica do calendário litúrgico. O fluxo e o refluxo de estações, festas e jejuns, reaparecimentos a cada ano de um velho santo (amigo) nos dá a oportunidade de rever os momentos familiares na vida de Cristo e na história da Igreja - muitas vezes com um novo olhar. Com tantos rituais de nossas expressões externas de fé (e até mesmo os mais mecânico dos gestos!), Há tanta profundidade, tanto significado sob a superfície. E corremos o risco de perder alguns pequenos detalhes, mesmo que participemos repetidamente por décadas, apenas para poder fazê-lo com espanto pela 100a. vez!

Saber mais sobre qualquer ritual católico autêntico é enriquecer nossa própria fé sacramental. Retornar a cada ano não se torna uma monotonia, mas, antes, um mergulho mais profunda dentro da bela tradição da Igreja ... uma chance de descobrir algo que estava lá, esperando que nossos olhos vissem.

Quando me ajoelhei no genuflexório do meu banco no início da Missa da Quarta-feira da Cinzas, me vi tão emocionada com as orações no meu missal, uma verdadeira coleção de tesouros de beleza que, toda a vez que abro, me surpreende com alguma joia que anteriormente me passou despercebida. Eu queria compartilhá-las, juntamente com um pouco mais de informação sobre esse lado bonito e menos conhecido de um dia que pode simplesmente nos passar desapercebido.

O sacerdote começa com esse brado queixoso em nome de todos nós. Sim, que alma sensível não sentiu assolada, até ao ponto de se afogar, pelas inundações caudalosas do nosso próprio pecado e pela fragilidade do mundo que nos rodeia? E, no entanto, nosso Deus é Amor, e Ele cumpre com as suas promessas. Pedimos a Ele que nos salve, sabendo que Ele nos SALVARÁ, e Ele QUER nos salvar, ainda mais do que nós mesmos queremos ser salvos! O jeito adequado de se aproximar dEle é com total confiança, mas também com humildade.

Mesmo no meio deste vale de lágrimas, tentações e trevas, estamos cercados por bons anjos, mais atentamente pelo nosso próprio Anjo da Guarda. Invocamos sua ajuda com bastante frequência? Agradecemos?

V. Adjutorium nostrum in nomine Domini Nossa Salvação está no nome do Senhor

R. Qui fecit caelum et terram. Que fez o céu e a terra.

Sim, pelas cinzas somos eficazmente abençoados pelas mãos consagradas do sacerdote e abençoados com água benta que foi abençoada por mãos consagradas. Isso é bacana, se você quer saber. Tal como acontece com as medalhas, a água benta, os anéis de casamento, etc., os sacramentais abençoados carregam um pouco de 'magia' neles. Não, não a mágica de Harry Potter. Estou falando do mistério Católico que pulsa por baixo de tudo o que vemos, fazemos e dizemos na nossa Igreja. Está lá, mesmo quando nos esquecemos dele ou não conseguimos vê-lo.

E, sim, mesmo "apenas" o Seu Santo Nome carrega grande poder, quando proferido com fé por nós seres humanos. Impressionante.

"Senhor eu não sou digno..." dizemos no Confiteor.

"Padre, perdoai-me por que eu pequei ..." dizemos na Confissão.

"Sou eu o que há de errado com o mundo..." G.K. Chesterton em célebre gracejo

"...um sinal externo de uma graça interior..." (Catecismo de Baltimore)

Jesus então disse, 'Os sãos não precisam de médico, mas os enfermos' (Mc 2, 17).

Esta é uma imagem tão bela e evocativa para mim: "inclinai às nossas preces o ouvido da Vossa misericórdia, Ó Deus..."

Parce, Domine, parce populo tuo...

Tende piedade do Vosso povo, Senhor, tende piedade;

Não vos irais contra nós para sempre;

Curvemo-nos ante da ira vingadora, choremos diante do Juiz;

Deixai-nos gritar com palavras de súplica, prostrados diante a Vós.

Por nossa iniquidade, ofendemos Vossa clemência, Deus;

fazei derramar sobre nós, vosso perdão benevolente

Dai-nos um tempo aceitável, para satisfazer nos rios das nossas lágrimas,

o sacrifício dos nossos corações, inflamados por uma alegre caridade.

Ouçai, benigno Criador, as nossas lamentações

neste santo jejum de quarenta dias.

Brando prescrutadordos corações, Vós conheceis nossas fraquezas;

àqueles que à Vós retornam mostrais a graça do perdão .

Ora, enquanto foram comprar, veio o esposo. As que estavam preparadas entraram com ele para a sala das bodas e foi fechada a porta. Mais tarde, chegaram também as outras e diziam: Senhor, senhor, abre-nos! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo: não vos conheço! Vigiai, pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora (Mt. 25, 10-13).

Não é um alívio (1) reconhecer nossas fraquezas, (2) dizê-las alto, e (3) começar o trabalho - e é trabalho! - de "se emendar e fazer melhor", mas é um trabalho realizado com alívio abençoado na garantia divina de sua misericórdia e eficácia ... Há uma doçura nisso, em meio (ou talvez por causa disso) a honestidade aí existente, que admite sermos fracos e que precisamos dEle. Me chame de melancólica, mas é por isso que gosto dos hinos, das orações e dos versículos das escrituras tingidos com tristeza ou sombra. Claro, não o tempo todo, mas eles são mais apropriados para a Quaresma, e é quando e a razão pela qual a Igreja os canta. Não pode haver festa sem o jejum. Não pode haver alegria sem nunca ter havido uma lamentação.

Attende Domine, et miserere, quia peccavimus Tibi...

A ti, Rei Supremo, Redentor de todos,
Levantamos nossos olhos em pranto:
Escuta, ó Cristo, as preces dos que Te suplicam.

Mão direita do Pai, pedra angular,
Caminho da salvação, porta do céu:
Lava as manchas do nosso pecado.

Pedimos à Tua Majestade, ó Deus:
Escuta, com ouvidos sagrados, nossos gemidos
Perdoa, Benigno, nossos crimes.

Nós Te confessamos os pecados cometidos,
Com coração arrependido Te manifestamos os ocultos:
Que Tua Misericórdia perdoe, ó Redentor.

Preso inocentemente, conduzido sem fugir,
Condenado, em favor dos pecadores, por falsas testemunhas:
Conserva, ó Cristo, aqueles que salvaste!


Sim, nós estamos em uma batalha - pelas nossas próprias almas e pelas as almas dos outros, você pode até dizer pela alma do mundo. A Quaresma é um tempo de preparação e de uma guerra mais intencional contra nossos próprias fraquezas, tentações, maus hábitos e pecados. Em outras palavras, é enfrentar a realidade e começar o trabalho salutar com o qual nosso Criador e Redentor quer nos ajudar.

Como o treinamento para os esportes, como estudar para um exame, como qualquer trajetória ou teste importantes que já tivemos que nos preparar antes... só que infinitamente mais importante! Mas - tenha coragem! - "Nosso socorro está {sempre} no nome do Senhor" (Salmo 123, 8)

Desejamos uma santa, bela e perseverante Quaresma.

Original em inglês: https://catholic-link.org/beautiful-traditional-blessing-ashes/