Uma Questão Muito Importante

Os EUA irão às urnas em novembro deste ano para eleger novos membros para o Congresso. A análise e reflexão proposta por Michael Voris sobre o embate entre cultura e política - no programa Vortex, da WebTV Católica Church Militant - é uma oportunidade formidável para fazermos um paralelo e refletirmos sobre as eleições no Brasil em outubro próximo. Há a necessidade de se pensar - e votar - também estrategicamente, não apenas para o próximo presidente da república, como ainda para as cadeiras na Câmara e no Senado.

Aos Católicos que se fazem de isentos, uma novidade surpreendente: não se está escolhendo um Santo que tenha alcançado a glória dos Altares. Lembremo-nos do que o Papa Francisco nos diz, em sua mensagem, em dezembro de 2017 em Bogotá, sobre a participação dos leigos na política e que inicia sua mensagem com uma citação dos seus Predecessores, que se referiam à Política como a "forma mais perfeita da caridade", ou seja, um serviço inestimável de dedicação.


Uma Questão Muito Importante - Uma Pequena Janela de Oportunidade


Dezenas de milhões de americanos acham, com razão, que seu país está sendo retirado deles por anti-norte-americanos globalistas de esquerda. Sem entrar em detalhes, esta é a razão pela qual Donald Trump está na Casa Branca e Hillary não consegue parar de falar sobre as 352.817 razões pelas quais ela perdeu - e nenhuma delas é culpa dela.

A Church Militant acompanha a política de perto por uma razão: a política reflete a cultura e a cultura é a arena na qual a nossa vida de fé deve ser vivida, para o bem ou para o mal. Uma cultura disposta a temas católicos abrangentes será um lugar onde será mais fácil educar os filhos para serem adultos com uma boa base moral. E o oposto, claro, é verdade. Uma cultura mais grosseira e imoral apresenta enormes desafios para os pais incutirem valores teológicos sólidos em seus filhos. Uma sociedade que se esquece de Deus logo perseguirá aqueles que O esqueceram.

Tudo isso está sintetizado no mundo da política e é por isso que se torna tão brutal e causa divisão, pois aqueles que realmente têm a cabeça no jogo entendem - e por isso não é um eufemismo dizer - que o que está em jogo é o futuro do mundo.

Essa dinâmica está em jogo em todas as eleições. Às vezes é muito evidente, outras vezes um pouco menos, mas esse é o cerne de toda política: visões de mundo conflitantes. Em nossos dias, existem essencialmente duas grandes visões de mundo: a visão atual majoritária de que o homem é o centro e a síntese de sua própria existência e o que costumava ser a visão majoritária de que Deus é o centro da existência.

Um milhão de escolhas diferentes se enquadram em cada uma dessas visões em todas as questões concebíveis e, muitas vezes, a divisão é revelada de forma bastante óbvia. Por exemplo: a questão de saber se os chamados transgêneros devem ser admitidos nas forças armadas. Embora existam verdadeiras questões de iniciativa militar em jogo, também está subjacente uma questão maior que é a moralidade do transgenderismo em si e se instituições como as forças armadas devem ser utilizadas como incubadoras com vistas a provocar aceitação social com relação a isso.

As pessoas que veem a erosão de uma moralidade centrada em Deus sendo substituída por uma "moralidade" de "faça o que quiser e se sinta bem" estão profundamente perturbadas pelo ataque das forças anti-Deus e sua impressionante sequência de vitórias políticas e legais. Temos uma cultura hipersexualizada que é diretamente responsável pelo fracasso de dezenas de milhões de casamentos, assassinatos em massa de crianças, sodomia como casamento, a destruição de longo alcance da família e uma diminuição geral do valor da vida humana.

E em uma frente política, nenhum candidato se levanta e elenca sobre essas questões dessa maneira. Eles mudam o vocabulário: de assassinato em massa de crianças para "direitos das mulheres", o chamado casamento entre mesmo sexo para "igualdade" e assim por diante. Eles têm que mentir e mudar o vocabulário porque a maioria dos eleitores não entraria em uma cabine de votação para simplesmente votar para matar uma criança ou para promover o sexo homem entre dois homens ou para deixar as crianças sem pai.

Mas, qualquer que seja seu disfarce, a política é assim. No mundo irregular e confuso da política - que está sempre dando voltas e mudando - algumas eleições são simplesmente mais importantes do que outras.

Eventos mundiais, reformas políticas, alterações geográficas da população, personalidades políticas dominantes ocupando o centro do palco - todos os tipo de coisa - se combinam para tornar a paisagem da ordem política sempre dinâmica, nunca estática. Uma boa imagem mental é o oceano - sempre se movendo, girando e mudando. Às vezes tudo isso é um pouco mais calmo, outras vezes é muito mais violento, provocado pelos ventos, pela temperatura do ar, pelo deslocamento das placas tectônicas, etc.

As próximas eleições parlamentares neste mês de novembro aqui nos EUA serão violentas, para manter a analogia do oceano, talvez mais do que qualquer outra eleição parlamentar na memória viva. O establishment sofreu um grande revés quando Trump derrotou Hillary há quase dois anos atrás e eles estão sedentos por vingança. Chegaram ao ponto de criar uma mentira de que Trump conspirou com os russos para roubar a eleição de Hillary e que gastaram milhões de dólares de impostos federais na investigação de Mueller[1] para continuarem com a ladainha, sem o menor fragmento de evidência para apoiá-los.

Tão empenhados foram eles para derrotar Trump, que o que agora está ficando cada vez mais claro é que a Casa Branca de Obama orquestrou um elaborado plano ilegal para encobrir os crimes de Hillary e inventar, do nada, uma enxurrada de crimes fictícios sobre a campanha Trump. Nunca podemos esquecer que o quadro geral - onde o fator dominante é uma guerra contra Deus e a moralidade - mesmo que isso nem sempre seja claro, mesmo para aqueles diretamente envolvidos nele. Há duas visões de mundo e não há espaço suficiente nesta cidade para os dois.

Portanto, essas próximas eleições parlamentares são a primeira oportunidade substantiva para o contra-ataque da esquerda[2]. Eles querem recapturar o Parlamento dos EUA, fazer novamente Nancy Pelosi[3] porta-voz e iniciar um processo de impeachment contra Trump para torná-lo essencialmente incapaz até as eleições de 2020, mantendo a narrativa "Rússia-Rússia-Rússia" e "obstrução-obstrução-obstrução".

No lado do Senado, eles obviamente querem o controle também, ainda mais, na verdade, porque o Senado controla os tribunais e foi o transformando os tribunais em armamento contra a moralidade que eles foram capazes promover tamanho dano na cultura dos últimos cinquenta anos.

Mas no mundo da política, em constante movimento - pense novamente na analogia do oceano - algumas coisas não estão se alinhando bem para os democratas socialistas, especialmente o alinhamento dos personagens com notoriedade na batalha pelo controle do Senado.

Em suma, há muito mais Democratas para a reeleição do que Republicanos, e um número significativo desses Democratas enfrentam a perspectiva de derrota, porque eles são de estados em que Trump venceu em 2016. Portanto, há duas faixas, por assim dizer, em jogo nestas eleições parlamentares. A primeira é expandir a liderança do Partido Republicano no Senado e obter mais e mais bons juízes nos tribunais, especialmente na Suprema Corte dos EUA. Quanto mais vitórias republicanas na disputa pelo Senado, maior é a probabilidade.

Mas apenas expandir - o que é provável, pelo que vemos hoje - não é bom o suficiente porque dois anos depois serão as eleições presidenciais de 2020.

Se Trump vier a perder a eleição - caso ele de fato busque a reeleição - uma pequena vantagem republicana no Senado, oriunda dessas eleições parlamentares, poderia ser eliminada e a perspectiva muito real de um governo federal completamente controlado pelos Democratas[4] poderia se tornar realidade.

O Senado é a barreira de fogo contra essa perspectiva deste ano de eleições parlamentares. Se os Republicanos conseguirem apenas de 2 a 4 cadeiras no Senado, isso pode não ser suficientemente bom. Cinco ou mais trocas de assentos do controle Democrata para os Republicano podem ser uma apólice de seguro suficientemente boa em 2020 para bloquear o controle total do Partido da Morte - Partido Democrata -sobre o governo dos EUA.

Parte dessa análise, claro, depende necessariamente de olhar para uma bola de cristal, assim como a vida requer algum nível de discernimento sobre o futuro, como o investimento para aposentadoria, por exemplo, ou o valor de uma casa daqui 10 anos. Mas vocês não podem ficar parados e não fazerem nada.

Assim, nas eleições de 2018 estão em jogo duas coisas: manter o controle do Senado, para garantir mais dois anos de bons juízes com assento nos tribunais e manter controle suficiente como uma apólice de seguro para bloquear uma tomada democrata completa de Washington em 2020 - porque isso seria um desastre para as pessoas de fé.

Isso tudo tem a ver com a fé, a fé em Deus por pessoas que não querem ver seus filhos crescerem em um mundo onde os banheiros não são seguros, onde a religião é ridicularizada, onde são obrigadas a se sentirem inferiores e onde tem que lidar com leis voltadas para destruir sua fé.

A Política é de fato importante porque a guerra de visões de mundo é importante.

Original em inglês: Vortex

Notas

[1] O Conselho Especial de Investigação é uma investigação policial dos EUA sobre a campanha presidencial de Donald Trump em 2016 e sobre qualquer interferência russa (ou estrangeira) na eleição, incluindo a exploração de possíveis vínculos ou coordenação entre a campanha de Trump e o governo russo "e quaisquer questões que surgiram ou possam advir diretamente da investigação". Desde maio de 2017, a investigação tem sido liderada pelo Conselheiro Especial dos Estados Unidos, Robert Mueller, ex-diretor do FBI.

[2] Socialistas do Partido Democrata.

[3] Nancy Patricia D'Alesandro Pelosi, membro do Partido Democrata e Líder da Minoria na Câmara dos EUA desde 2011.

[4] O Partido Democrata.