Socialistas da Espanha Fracassaram Em Responder À Pandemia

O governo de coalizão de esquerda na Espanha foi pego de surpresa na resposta ao coronavírus, provocando a ira de críticos nacionais e estrangeiros que dizem que o primeiro-ministro socialista da Espanha, Pedro Sánchez, respondeu muito devagar, favorecendo algumas regiões e outras na distribuição de suprimentos médicos vitais.

Em 7 de março, centenas de milhares de socialistas e feministas marcharam por toda a Espanha para marcar o Dia Internacional da Mulher, quando havia apenas 430 casos confirmados de coronavírus (COVID-19) no país ibérico.

Dia da Internacional da Mulher em março na Espanha, 2020
Dia da Internacional da Mulher em março na Espanha, 2020

Menos de três semanas depois, esse número saltou para 47.610 casos e mais de 4.000 mortes, número superior ao número de mortes registradas pela China, a origem do vírus. Na quarta-feira, o governo federal anunciou que 783 pessoas morreram pelo vírus em apenas um dia.

Após o comício feminista, mais de 12.000 residentes de Madri deram positivo para o coronavírus. Entre eles estão a esposa do primeiro ministro Sanchez, mãe e dois membros de seu gabinete, os quais compareceram ao comício. A vice-prefeita de Madri, Begoña Villacris, do partido de esquerda Ciudadanos, disse na quinta-feira que lamenta sinceramente ter participado da marcha pró-aborto, que ela reconhece ter sido promovida e facilitada pelo governo socialista.

Na quinta-feira, o governo anunciou a morte da promotora federal antidrogas, de 59 anos, como resultado de uma infecção por coronavírus.

Walter Ricciardi, da Universidade Sacro Cuore, em Roma, um dos maiores especialistas em saúde da Itália, disse ao jornal ABC de Madri que era "loucura" permitir que a manifestação feminista acontecesse. Ele disse ao jornal: "Esses grandes comícios fazem um favor ao vírus, em vez de obstruí-lo", e acrescentou: "Dizemos que a Itália foi apenas o primeiro país europeu afetado, e que isso aconteceria com outros países também."

A Espanha registrou seu primeiro caso de coronavírus em 31 de janeiro, mas Sánchez não abordou a questão publicamente até 38 dias depois. O New York Times informou que as críticas estão aumentando sobre a resposta "blasé" e "vacilante" de Sanchez ao vírus.

Pablo Casado, líder do Partido Popular centrista, disse em 13 de março que Sanchez "deveria começar a liderar" e acrescentou: "Nas últimas semanas, o governo cometeu graves erros". Chegou a hora, disse ele, de "mostrar firmeza e determinação". Um especialista espanhol em saúde pública disse ao New York Times que considerações políticas tiveram precedência sobre as orientações científicas e médicas.

Madri e arredores agora representam pelo menos metade dos infectados. A líder do governo regional de Madri, Isabel Díaz Ayuso, do Partido Popular centrista, ficou em quarentena por uma semana. Foi Díaz Ayuso quem tomou medidas antes de o governo central entrar em ação, fechando em 11 de março as creches, escolas, universidades, museus e galerias.

Enquanto isso, os hospitais estão lutando para obter máscaras e luvas, ventiladores e camas. O desespero da Espanha foi patente pelo apelo emocionado de uma senhora idosa em Leganés, um subúrbio de Madri, que acusou os médicos de dar um ventilador.

Díaz Ayuso criticou o primeiro-ministro Sánchez, não apenas pela resposta tardia, mas também por provavelmente ter atrasado as entregas de suprimentos médicos essenciais, como máscaras e luvas.

Em 22 de março, Díaz Ayuso escreveu a Sánchez solicitando que liberasse suprimentos médicos vitais. Ela lhe recordou que vinha se preparando há vários meses antes do surto. "É por isso que sabemos o que fazer e o vimos fazendo há várias semanas", escreveu ela e acrescentou: "Só solicito solidariedade."

Díaz Ayuso pediu a Sánchez que liberasse dois carregamentos de suprimentos médicos que ela havia pedido da China. Por mais de uma semana, vários governos, conselhos e vendedores regionais acusaram o Ministério da Saúde da Espanha de criar um caos depois que a polícia recebeu ordens de apreender suprimentos médicos que chegavam ao país.

Na terça-feira, Díaz Ayuso disse que Madri não recebeu suprimentos médicos do governo federal. O Financial Times informou que o coronavírus já matou 1.500 vidas na região de Madri até agora. Mesmo assim, Díaz Ayuso continua esperançoso de que, com a ajuda do governo federal, outras infecções possam ser evitadas.

Ximo Puig, líder do governo regional de Valência, instou o colega socialista Sánchez a liberar mais suprimentos médicos. O governo regional da Andaluzia está exigindo a liberação de 150.000 máscaras que foram apreendidas pelo governo federal. Um documento divulgado pelo Ministério do Interior da Espanha nesta semana mostrou que o governo ordenou que a polícia mantivesse em segredo todas as operações para apreender suprimentos médicos, como máscaras, luvas e kits de teste.

Em uma entrevista no YouTube à EldistritoTV, o economista Roberto Centeno acusou o primeiro-ministro Sánchez de partidarismo na distribuição de suprimentos médicos, observando que os governos regionais de Madri e Andaluzia são liderados pelo Partido Popular da oposição. "Isso significa que a pandemia causará 30 milhões de doentes e 30.000 mortes", alertou, o que seria um dano maior do que o que a Espanha sofreu durante a desastrosa Guerra Civil da década de 1930.

Centeno, um comentarista político veterano, afirmou que os produtores espanhóis de suprimentos médicos vitais pararam a produção porque não sabem se ou quando serão pagos pelo governo federal. A Rubberex, por exemplo - um fabricante multinacional de luvas médicas com uma fábrica na Espanha - observa em seu site que suas vendas on-line estão suspensas no momento. ChurchMilitant contactou Rubberex porém não obteve retorno.

Na quinta-feira, após 11 horas de debate no Congresso da Espanha, membros da oposição votaram a favor de um pacote legislativo proposto pela coalizão socialista. O projeto estende o estado atual de emergência até 11 de abril.

Sánchez dismissed criticisms offered by the opposition, telling them to be "humble." Santiago Abascal, who leads the populist Vox Party, called on Sánchez to jettison leftwing Pedro Iglesias of the Podemos Party, who serves as vice-prime minister. Iglesias' party has been on the forefront of proposing measures for the economy and coronavirus that Vox has labeled "communistic." Abascal joined Popular Party leader Pablo Casado in saying that Sanchez's response has been tardy and insufficient.

Sánchez rejeitou as críticas feitas pela oposição, pedindo que a mesma fosse "humilde". Santiago Abascal, que lidera o populista Partido Vox, convidou Sánchez a abandonar o esquerdista Pedro Iglesias, do Partido Podemos, que atua como vice-primeiro-ministro. O partido de Iglesias tem estado na vanguarda da proposta de medidas para a economia e o coronavírus que Vox chamou de "comunistas". Abascal se juntou ao líder do Partido Popular, Pablo Casado, dizendo que a resposta de Sanchez foi tardia e insuficiente.

Por Martin Barillas

Original em inglês: ChurchMilitant