Quase 1/3 dos Americanos Temem a Guerra Civil nos Próximos 5 Anos

Pesquisas e eventos recentes apontam para ameaça da esquerda radical


DETROIT (ChurchMilitant.com) - Muitos norte-americanos temem que os esquerdistas radicais ameacem a sociedade, com um terço da população preocupada com a guerra civil nos próximos anos.

Uma pesquisa da Rasmussen realizada em 21 de junho e 24 de junho revelou que 59% dos norte-americanos estão preocupados com o fato de que oponentes do Presidente Donald Trump possam recorrer à violência. As estatísticas, publicadas na quarta-feira, indicam que 26% estão "um pouco preocupados" e outros 33% estão "muito preocupados".

Um número um pouco menor, cerca de 53% das 1.000 pessoas entrevistadas, expressou preocupação com o fato dos partidários de Trump se tornarem violentos em resposta à cobertura tendenciosa do presidente pela mídia tradicional.

Enquanto isso, 31% dos norte-americanos, segundo Rasmussen, temem que os Estados Unidos passem por uma segunda guerra civil nos próximos cinco anos. Onze por cento disseram que é "muito provável" e 20 por cento consideraram a guerra civil "um pouco provável".

A divulgação desses resultados ocorre um dia depois que o Partido Republicano publicou um vídeo - vide a seguir - chamado "The Left in 2018: Unhinged" [N.T.: A Esquerda em 2018: Desequilibrada]. A faixa de áudio abre com Bernie Sanders declarando triunfante: "Há alguns anos atrás, ideias sobre as quais falávamos, eram tidas como ideias marginais, ideias radicais, ideias extremistas. Essas ideias são agora predominantes"

O vídeo alude à violência da Antifa[1] e destaca a retórica cada vez mais facciosa e insultante dos esquerdistas de Hollywood.

O destaque no vídeo é a foto infame tirada em maio de 2017, onde a comediante Kathy Griffin posou segurando a cabeça decepada do Presidente Trump. Há também um videoclipe da música do rapper Snoop Dogg, que mostra ele atirando e matando um palhaço parecido com Trump.

O vídeo do Partido Republicano mostra a congressista democrata Maxine Waters pedindo que seus partidários assediam verbalmente os membros do gabinete de Trump sempre que os virem "em um restaurante, em uma loja de departamentos, em um posto de gasolina".

Waters disse aos seus apoiantes para "empurrar", instruindo: "E vocês lhes digam que eles não são mais bem-vindos em qualquer lugar".

E vocês lhes digam que eles não são mais bem-vindos em qualquer lugar!

A congressista fez comentários polêmicos em uma manifestação de protesto em 23 de junho contra as políticas de imigração do governo Trump.

O Presidente Trump respondeu em um tweet na segunda-feira, chamando Waters de "uma pessoa com QI extraordinariamente baixo" e dizendo que ela e Nancy Pelosi juntas apresentam a "Face do Partido Democrata".

Os comentários inflamados de Waters foram alusivos a um incidente anterior em que a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, em que ela foi recusada de ser atendida em um restaurante.

Em 22 de junho, Sanders foi convidada a deixar Red Hen em Lexington, Virgínia, porque trabalha para o governo Trump.

Sanders comentou no dia seguinte no Twitter: "Ontem à noite me disseram que a dona do Red Hen em Lexington, VA, foi embora porque eu trabalho para o @POTUS e saí educadamente. Suas ações dizem muito mais sobre ela do que sobre mim".

Em uma notícia do The Stream, datada de terça-feira, William Briggs se referiu à tensão política da América como "Nossa (Até Agora) Guerra Civil Fria". Briggs observou o enlameado de ambos os lados e apontou que os esquerdistas são mais propensos do que os conservadores a insultar aqueles com quem discordam.

Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez insistem em que as suas posições radicais estão se tornando populares. Mas e o mundo político fora de suas bolhas comunitárias esquerdistas?

Como um exemplo de crescente radicalização com o Partido Democrata, uma socialista de 28 anos ganhou recentemente uma primária democrata em Nova York.

Alexandria Ocasio-Cortez venceu o Representante titular Joe Crowley nas eleições primárias de Nova York na terça-feira. Foi uma surpresa surpreendente para o 14º Distrito Congressional de Nova York.

Crowley estava de olho em ser o sucessor de Nancy Pelosi como o líder da minoria na Câmara dos Deputados dos EUA. Com Crowley fora, agora não está claro quem substituirá Pelosi.

Alguns comentaristas dizem que a vitória de Ocasio-Cortez é um sintoma de que o Partido Democrata está se tornando mais radical. John Fund escreveu na quarta-feira para a Fox News, "Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez insistem que suas posições antes radicais estão se tornando populares. Mas e no mundo político, fora Mas e o mundo político fora de suas bolhas comunitárias esquerdistas?"

Ocasio-Cortez diz esperar que a ex-estrela de reality show Cynthia Nixon tenha uma vitória semelhante contra o governador de Nova York, Andrew Cuomo.

Os Socialistas Democratas da América[2] foram cruciais na organização da campanha de base de Ocasio-Cortez, que gastou apenas US$ 300 mil - em contraste com a campanha de US$ 3 milhões do oponente Crowley.

Por David Nussman ChurchMilitant • 27 de junho de 2018


Notas:

[1] Antifascismo, no contexto histórico, é um termo originado da década de 1920 e relacionado com um movimento político que se opôs ao fascismo de Benito Mussolini, político italiano que governou com poderes ditatoriais a Itália entre 1922 a 1943. O termo relacionado "Antifa" abrevia e carrega o mesmo significado da palavra da língua alemã Antifaschismus. Refere-se a indivíduos e grupos dedicados a combater o fascismo. A maioria dos principais movimentos de resistência durante a Segunda Guerra Mundial foram antifascistas. Hoje o termo é utilizado para referir alguém que se opõe ao fascismo em geral, tanto sob a forma de militância ativa de um partido político ou movimento cuja ideologia é oposta ao fascismo, como por exemplo o Liberalismo, o Anarquismo, ou a Social Democracia, ou de forma passiva, simplesmente tendo opiniões políticas que consideram que o fascismo é um regime errado. O movimento tem perdido combatividade desde a Segunda Guerra Mundial quando ele faz um pacto social conciliativo com os governos instituídos desde então.

[2] O "Socialistas Democráticos da América" (Democratic Socialists of America- DSA) é uma organização socialista nos Estados Unidos. A DSA é uma organização multifacetada de membros socialistas e de esquerda social-democrata e membros orientados para o trabalho, muitas vezes também filiados a outros partidos políticos ou organizações. O DSA foi membro da Internacional Socialista (IS) desde sua fundação em 1982 até agosto de 2017, quando votou por sair da organização por perceber suas políticas econômicas como neoliberais.