Perseguição de Católicos Intensifica Apesar do Acordo Entre a China e o Vaticano

Pequim (ChurchMilitant.com) - A China está travando uma guerra[1] contra a fé e, apesar de um recente acordo do Vaticano para reconhecer sete bispos da Igreja "Católica Patriótica" cismática, aceita pelo comunistas, a campanha de opressão de Pequim está se acelerando.

As autoridades estão atacando a Igreja Católica clandestina ao queimar Bíblias, forçando igrejas a remover cruzes e ícones, fechando santuários e locais de peregrinação e prendendo arbitrariamente clérigos fiéis à Igreja Católica.

Desde a tomada do poder pelo Partido Comunista em 1949, o Estado manteve uma postura antagônica em relação a todas as religiões, mas sob o domínio do presidente Xi Jinping, a perseguição atingiu seu ápice.

Em 2015, líderes do partido cunharam o termo "achinezação" para pressionar líderes religiosos a fundirem a fé com a ideologia comunista. Hoje o governo controla funcionários, publicações e finanças das igrejas sancionadas pelo Estado, injeta rotineiramente a propaganda comunista nas homilias dos padres e está se preparando para suplantar a Sagrada Escritura com uma "Bíblia Cristã Chinesa".

A Santa Sé não tem relações formais com a China desde 1951, pouco depois da tomada comunista do país. Autoridades da Igreja afirmam que a iniciativa, concebida no início do papado de Francisco, visa sanar essa desavença.

Mas, em face da pior perseguição desde a catastrófica Revolução Cultural (1966-1976), a decisão de Roma de aproximar-se dos comunistas tem se tornado cada vez mais uma ilusão.

Card. Joseph Zen, Arcebiso Emérito de Hong Kong
Card. Joseph Zen, Arcebiso Emérito de Hong Kong

Os fiéis Católicos chineses temem que eles sejam sacrificados no altar da diplomacia. Entre os adversários mais contundentes do acordo está o Card. Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong. O cardeal Zen advertiu[2] os funcionários do Vaticano: "Vocês estão colocando lobos diante de seu rebanho e eles serão massacrados".

O especialista em cultura chinesa, Steven Mosher, chefe do Instituto de Pesquisa Populacional, concorda. No início deste ano, ele disse à Church Militant: "O Partido Comunista Chinês, oficialmente ateu, quer acabar com todas as crenças religiosas e todos os comportamentos religiosos na China".

"Eles querem acabar com tudo isso - o objetivo deles é impor o ateísmo a todos na China", acrescentou Mosher. "É por isso que em 1º de fevereiro eles colocaram novas regulamentações impedindo católicos ou cristãos de trazer seus próprios filhos de 18 anos para a Missa Católica ou para as reuniões da igreja. Eles querem acabar com a religião, impedindo que ela seja transmitida para a próxima geração."

Chen Guangcheng, ativista de direitos humanos.
Chen Guangcheng, ativista de direitos humanos.

Da mesma forma, Chen Guangcheng[3], um dos principais ativistas chineses pelos direitos humanos, repetidamente criticou o acordo de Roma com Pequim.
No início deste ano, Chen, um destacado pesquisador visitante do Instituto de Pesquisa Política e Estudos Católicos da Universidade Católica da América, advertiu: "Nasci e cresci na China sob o despotismo comunista. Eu pessoalmente experimentei a brutal tortura e perseguição que o ateus do Partido Comunista comentem contra os dissidentes ".

"Eles não têm nenhum temor a Deus ou a qualquer linha moral", observou ele, acrescentando: "Eles cometeram inúmeros assassinatos com um total desrespeito pela vida humana com o único propósito de manter seu reinado."

Em um artigo no mês passado intitulado "Pacto com ladrão, acordo com o diabo: O acordo pendente do Vaticano com a China", Chen reiterou suas críticas.

"Conheci e trabalhei com inúmeras pessoas na China que foram perseguidas por suas crenças", escreveu ele. "Foi assim que, com grande choque e desânimo, observei o desenrolar da aproximação do Vaticano com a China".

"Tenho certeza de que os membros ativos das igrejas clandestinas na China, que perseveraram contra perseguições terríveis por tanto tempo, só podem se sentir traídos."

"O fato do Vaticano ver esses termos como uma base aceitável para a reconciliação com um regime ditatorial brutal é um tapa na cara de milhões de católicos e outros religiosos fiéis na China que sofreram perseguição real sob o PCC [Partido Comunista Chinês]," Ele continuou.

"Claramente, o acordo é uma jogada descaradamente política projetada apenas para servir aos interesses do PCC", disse ele. "Não apenas a ação do PCC ao selecionar bispos católicos representa um grande declínio para o Vaticano, mas é o equivalente a se curvar diante do mal, de vender Deus ao diabo".

Chen acrescentou:

Tenho certeza de que os membros ativos das igrejas clandestinas na China, que perseveraram contra perseguições terríveis por tanto tempo, só podem se sentir traídos. Eles devem com toda certeza sentir que o Vaticano está se afastando de Deus e se aproximando do mundo humano superficial do vício - mais próximo de um Partido Comunista responsável pela morte de mais de quatrocentos milhões de crianças não nascidas e centenas de milhões de chineses. Isso pode de fato representar a vontade dos Céus?

Os esforços de Pequim para suprimir a Fé são tão notórios que até organizações seculares - incluindo grupos fundamentalmente opostos à doutrina católica - estão expressando consternação com o acordo.

Em entrevista ao The Atlantic[4] esta semana, Sophie Richardson, diretora da Human Rights Watch na China, alertou: "Assistir a uma grande crença mundial chegar a um acordo com um governo autoritário, notório por reprimir a liberdade religiosa e ceder efetivamente alguma autoridade a esse governo, estabelece um precedente muito preocupante ".

"O papa efetivamente deu a Xi Jinping um selo de aprovação quando a hostilidade deste último à liberdade religiosa não poderia ser mais clara", disse Richardson.
Presidente chinês, Xi Jinping.
Presidente chinês, Xi Jinping.

Aqueles no andar térreo na China, especialmente os sacerdotes da Igreja clandestina - principais alvos do governo comunista - têm pouca confiança de que o acordo do Vaticano alivie a repressão.

Em setembro, uma multidão de clérigos fiéis[5] reuniu-se discretamente para discutir como procederiam na sequência do acordo. Os sacerdotes decidiram por unanimidade que, por enquanto, não podem se juntar à igreja sancionada pelo Estado.

"Se quisermos nos tornar oficiais, agiremos juntos; em outras palavras, se o Papa quiser que sejamos abertos, estaremos abertos juntos, caso contrário, juntos continuaremos no estado de clandestinidade", disse um deles. "O governo nos dará maior liberdade depois que nos tornarmos oficiais? ... O governo mudou?"

Claramente, não mudou. Desde a assinatura do acordo provisório em setembro, agentes do governo começaram a descer em paróquias para forçar clérigos clandestinos a se unirem à "Igreja Patriótica" ou a para declará-los ilegais. Dois santuários marianos - Nossa Senhora da Felicidade na província de Guizhou e Nossa Senhora das Sete Dores, na província de Shanxi - foram destruídos. O bispo Shao Zhumin, o ordinário da cidade de Wenzhou, indicado pelo Vaticano, desapareceu há um mês sob custódia policial.

Três meses após a assinatura do acordo provisório, fica cada vez mais claro que a avaliação do Card. Zen foi profética: ao comprometer-se com a ditadura comunista, o Vaticano está cometendo um "ato de suicídio"[6] na China.


Notas

[1] Prender muçulmanos, queimar Bíblias e forçar monges a agitar a bandeira nacional: como Xi Jinping está atacando a religião na China - ler em inglês aqui

[2] Card. Joseph Zen: "lobos" comunistas ameaçam rebanhos católicos chineses - ler em inglês aqui.

[3] Desertor chinês cego: O acordo do Vaticano com a China é "um tapa na cara" para milhões de católicos. - Ler em inglês aqui

[4] China não cumpre seus acordos: O Vaticano está aprendendo isso da maneira mais difícil. - ler em inglês aqui.

[5] Unidos permanecemos: os sacerdotes clandestinos da China. - ler em inglês aqui.

[6] Para o Oriente. - ler em inglês aqui.